domingo, 10 de outubro de 2010

Já não se faz música como antigamente

Na atualidade, toda vez que escuto programas de rádio ou TV, vemos CDs ou DVDs à venda pelas lojas ou ruas na minha cidade (só como amostra), percebo como os valores musicais se perderam. Salvo raríssimas exceções, oriundas do ramo sertanejo ou pop internacional, esses grandes sucessos do momento têm como ponto chave a cachaça, a prostituição (para não dizer o que se fala realmente na letra da composição), as drogas e tudo o que você imaginar de imoral.

Se essas músicas estivessem conscientizando a não beber, fumar ou "vender" o corpo, seriam espetaculares. O grande problema é a maneira como escreve-se a "obra", seu conteúdo e o incentivo a tais malefícios (bebida alcoólica, fornicação ou fumo), implícito ou explícito. Aqui no Nordeste, as bandas de forró metalizado mais populares, em especial para a juventude, adotaram canções com estímulos ao consumo desenfreado de cerveja, cachaça e outras bebidas alcoólicas, adotando a estas alguns apelidos "carinhosos, de muito bom grado". Ficam sem espaço as boas músicas da MPB, rock, sertanejo e clássico, apenas por ser uma convenção para a maioria dos adolescentes que esses gêneros são caretas, não têm agito, algo bastante comum nessa fase da vida.

Levo em conta, para fazer essa crítica toda, o baixo nível de grande parte desses hits atuais. Além do conjunto de males que citei antes, um bom bocado já começa a apresentar os famosos palavrões, a linguagem de calão mínimo. Penso assim: do jeito que as músicas de hoje são compostas, o tipo usado de escrita serve apenas para arrematar a falta de vergonha e de opção desses autores e intérpretes.

Não que eu seja um ultrapassado, careta, museu, que só gosta de coisa antiga. Afinal, sou adolescente e gosto muito de novidade. Porém, desculpem-me o termo, mas ao ouvir essas porcarias de hoje, começo a refletir: Ah, se os conteúdos musicais da época da Ditadura Militar voltassem para os nossos dias!

Só para terminar, uma frase velha, mas que vem a calhar para o assunto e para a época, com a devida adaptação que empresta o nome para o título - Já não se faz música como antes!

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

A lei que está abrindo melhores caminhos para as Eleições

Aquela impunidade em relação aos crimes eleitorais nos Três Poderes da nação, problema que vinha se arrastando há longas datas, dá bons sinais de que começa a ser caçada e freada pela Justiça Brasileira. E esta solução já tem nome: Ficha Limpa.

Nos últimos dias, o que se viu foi uma enxurrada de políticos tendo suas candidaturas impugnadas pela Justiça Eleitoral. Há casos de ex-governadores que tentariam retomar o poder, como Ivo Cassol, que já foi a autoridade máxima de Rondônia, mas durante a gestão 2006-2010 teve seu mandato cassado por compra de votos e abuso do poder. Neste corrente ano, ele até entrou na corrida pelo Palácio Getúlio Vargas (sede do governo rondoniense), mas foi pego pela nova lei federal e teve indeferida sua "inscrição" para a disputa.

Na Paraíba, a quantidade de concorrentes barrados pelo Tribunal Regional Eleitoral é impressionante. Até hoje (06/08), nada menos que 69 postulantes a deputado estadual, federal e senador tiveram que abandonar o páreo. Entre eles, um ex-governador, Cássio Cunha Lima (PSDB), que tentava a vaga no Senado. Vale lembrar que em 2009 o tucano foi cassado por distribuir cerca de 35 mil cheques a eleitores durante sua campanha de 2006.

Só aqui, na região de Sousa, já foram confirmadas duas rejeições: os ex-prefeitos Salomão Benevides Gadelha (PMDB) e João Marques Estrela e Silva (PDT). João pleiteava o posto de deputado federal, mas havia sido retirado do poder máximo da cidade em 2002 por compra de votos. Salomão não chegou a ser deposto, mas é acusado de desmandos como apropriação indébita e improbidade administrativa no período de 2002 a 2005.

Apenas esses exemplos regionais e estaduais já mostram como a Justiça, quando quer, pode muito bem punir e evitar esses "pulinhos de cerca" dos maus políticos. Ao mesmo tempo, dá esperança aos cidadãos que querem escolher só as autoridades capazes de prestar o verdadeiro serviço à população.

Ficha Limpa, uma lei que veio a calhar e está começando a resolver o problema que nenhum sujeito de bem agüentava.


Baseado em informações dos sites: 950News, G1, Diário do Sertão e Folha On-Line

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Em Cima da Notícia: apresentação

Olá, amigos! A partir de agora, está em atividade o blog Em Cima da Notícia, onde serão apresentadas informações e opiniões sobre os mais diversos e relevantes assuntos, de abrangência geral. O blog está completamente aberto aos comentários dos internautas. As matérias serão digitadas por Yuri Costa, jovem de apenas 15 anos, estudante de 2o ano de Ensino Médio que sonha em cursar jornalismo.